sábado, 19 de dezembro de 2009

Tu, meu amigo

"Olhas para mim como se fosse a única pessoa na terra, com o teu olhar profundo e ternurento fazes-me sentir feliz! Pergunto como foi o teu dia e tu respondes que foi o de sempre. Invejo a tua vida, amigo! Não se pode chamar de inveja mas sim um ligeiro ciúme, por essa tua vida sem demais problemas ou qualquer tipo de stress. Não imaginas como é viver neste mundo de aparências. Canalhas! Desculpa, foi um desabafo. Sei que não te importas e por isso gosto muito de ti.
Gostas que fale para ti e sei que me ouves, podes não entender tudo mas estás atento e isso para mim já é muito, saber que se é ouvida é algo de muito especial e saber ouvir é uma virtude em vias de extinção. Mas tu não, estás sempre onde eu estou, nem que seja só no pensamento, e exiges que fale contigo, contar como foi o meu dia, o que me arrelia, o que vou fazer a seguir, se gosto de ti… sim, tu gostas que eu diga que gosto muito de ti.
Passeias pela casa durante o dia como um guarda em defesa do seu forte, protegendo esse teu reino que tanto adoras. Passas várias vezes pelos mesmos cantos, fazendo o mesmo percurso, o mesmo trilho assinalado por ti desde o primeiro dia que vieste ter comigo e partilhar este reino. Se algo foge ao normal averiguas ao mais exíguo pormenor até teres a certeza que está tudo bem senão dás o teu alarme e vens ter comigo tentando chamar a minha atenção como já fizeste algumas vezes. Gosto muito de ti.
À noitinha reclamas por um pouco de afecto como se fosses um jovem apaixonado que ansiou todo o dia pelo regresso da sua amada protestando todos os minutos de espera por aquele doce momento a dois. Acaricio-te e falo-te em voz meiga, tu fechas os olhos agradecendo e deliciando-se com o momento.
Dormes comigo, na minha cama velas o meu sono protegendo-me de todos os demónios nocturnos que poderão fazer-me despertar e tirar-me daquele momento de descanso. Quando acordo estás sempre lá para desejar-me um bom dia…
Estás sempre comigo, nem que seja só no meu pensamento… meu grande amigo de quatro patas, meu gatinho alado, LORDE…"


Gabriela Oliveira escrito em Outubro de 2005