quinta-feira, 6 de junho de 2013

Agradecimento à mãe

Quero deixar aqui registado um agradecimento público à minha mãe.
Pelas horas de flagelo que me fez passar enquanto era miúda a coser meias (picar dedos e barafustar), finalmente aos meus 33 anos compreendi a sua importância.
Agora quando olho para os outros que não sabem coser o quer que seja ou pregar um botão agradeço piamente a ela pelos ensinamentos e experiência que me proporcionou.
Agora demonstram-se ser rentáveis.




Vou esperar ansiosamente pelo dia em que vou ver qual a utilidade das horas que passei a regar as centenas de vasos que ela teimava em cultivar, debaixo de sol escaldante e de uns bons tabefes quando eu gritava, e passo a citar: "Eu não como flores!"... teoria esta defendida pelo meu pai (graças a Deus).

Sem comentários: